Cada vez mais empresas, as escolas de Arquitetura e Engenharia Civil e a mídia falam sobre projetos de construção sustentável no Brasil. 

O assunto vem se tornando indispensável, com necessárias avaliações no setor. Isso porque a sustentabilidade é uma mega tendência no mundo.

O ser humano, ao longo das décadas, vem causando um enorme impacto ambiental.

Houve (muito mais no passado) inúmeros casos de obras com resíduos sem descarte adequado e uso inconsequente de energia elétrica, por exemplo.

Como já falamos no texto “Como uma construção pode ser mais sustentável?”, para ser sustentável, uma obra deve ter três prerrogativas ao mesmo tempo:

  • minimizar os impactos ambientais, como gasto energético de fontes renováveis; 
  • viabilidade econômica, que seja possível realizá-las;
  • propiciar qualidade de vida para as gerações atuais e futuras.


Sociedade atenta à sustentabilidade

Muito mais do que somente seguir uma mega tendência mundial, há as questões éticas em jogo.

Mas, para além de tudo isso, e o mais interessante: os clientes brasileiros começam a dar importância à sustentabilidade dos projetos antes da aquisição.

A sociedade vem prestando mais atenção à questão ambiental e, boa parte já consome com mais consciência.

Esse consumo vai desde pequenos produtos, como roupas feitas com polímero reciclado, até os maiores e mais caros, como os imóveis ou carros.

Voltando ao âmbito do mercado da construção civil, outro aspecto importante, e que vem ganhando força, é a sustentabilidade nas duas fases: desde o canteiro de obras até depois do imóvel pronto e ocupado.

Alguns aspectos comuns em projetos sustentáveis são:

  1. Uso de energias de fontes renováveis;
  1. Utilização da água da chuva;
  1. Uso de materiais mais ecológicos e certificados;
  1. Automação residencial.

Outro ponto muito relevante são os benefícios de construir voltando-se à sustentabilidade. Primeiro, a redução dos gastos – mesmo que o investimento inicial seja mais alto, no longo prazo vai valer a pena.

Depois, há o conforto aos proprietários, tanto na sensação térmica, quanto da luminosidade e do conforto visual.

Um terceiro fator bastante pertinente e significativo é a possibilidade de ganhar incentivos fiscais. Dependendo do estado, já existem esses descontos de impostos.


Alguns projetos sustentáveis no Brasil

No Brasil, em geral, o maior quantitativo de construções sustentáveis é representado pelos edifícios comerciais. E, claro, o maior centro comercial e populacional do país, São Paulo, concentra o maior número desses edifícios.

É importante frisar que existem certificações internacionais para as construções sustentáveis. Algumas delas são: LEED, AQCUA e PROCEL EDIFICA.

Edifício Jacarandá, em São Paulo

Construção Sustentável Edifício Jacarandá, em São Paulo
Edifício Jacarandá, em São Paulo, foi o primeiro comercial certificado no país

Primeiro edifício comercial certificado no Brasil, considerado sustentável por suas soluções nessa área.

Algo que não diz respeito à construção em si, mas é relevante ao meio ambiente: o prédio está localizado próximo a vários modais de transporte coletivo. 

Com cobertura verde, o prédio ainda incentiva o uso da bicicleta: além de ter bibicletário, há vestiários e armários para os ciclistas. 

Os arquitetos, pensando em minimizar ilhas de calor, projetaram toda a área dos estacionamentos nos subsolos, o que reduziu o número de pavimentos.

Mesmo sendo um edifício, o Jacarandá tem incríveis 1.925 metros quadrados de áreas verdes. Além disso, há um Plano de Gerenciamento de Águas Pluviais. 

Com isso, aumentou a infiltração, coleta e o tratamento da água de escoamento: 90% da média anual de chuva passa por todo esse processo e é utilizada no edifício.

Durante a fase de obras, quase todo o resíduo gerado foi reciclado ou reaproveitado. Também privilegiou-se o uso de materiais provenientes da região.

Auri Plaza Garten, em Joinville

Construção sustentável Auri Plaza Garten, em Joinville
Em Joinville, Auri Plaza Garten tem telhado verde e ar condicionado VRV

Pioneiro em Santa Catarina, o Auri Plaza Garten já foi projetado conforme o LEED (certificação internacional concedido a edifícios ecologicamente responsáveis).

O telhado do prédio é verde, o que gera melhor absorção da água da chuva. Mas uma vantagem extra – e muito importante para quem trabalha no edifício – é a manutenção da temperatura lá dentro.

Somado a isso, o sistema de ar condicionado utilizado é o VRV, que permite uma economia de até 35% no consumo. 

Parte da água consumida provém da captação da chuva. Nos banheiros, as louças possuem dispositivos de economia de água e os metais sanitários são de baixo consumo.

Assim como o Edifício Jacarandá, o Auri Plaza Garten tem ótima localização – é fácil chegar caminhando ao shopping, a faculdades e outras empresas.

Os ciclistas também têm a sua vez: há vagas exclusivas para as bicicletas no subsolo. 

A iluminação natural facilita a redução do uso de luz artificial no prédio, com o uso de muitos vidros.


Prédios da Energisa, em Patos, na Paraíba

A obra, localizada no Sertão, teve vários desafios desde a construção. A região sofre com escassez de recursos e o clima é muito quente – semiárido. 

Por fim, esses aspectos, além da preocupação com a qualidade de vida dos usuários do prédio, acabaram se tornando impulsionadores para a obra.

Os prédios foram feitos com materiais renováveis, reutilizáveis e recicláveis. Foram escolhidos materiais sustentáveis, como, por exemplo, madeira de reflorestamento, vidros com baixo fator solar, brises para sombreamento.

A proteção térmica e acústica foi garantida com telhas preenchidas de poliuretano. Os sanitários e a irrigação de áreas verdes utilizam água da chuva captada, filtrada e armazenada.

Há, ainda, sensores de presença para o acendimento de lâmpadas e pisos externos que permitem a infiltração da água.

Esses prédios inspiram, não é mesmo? E a indústria da construção civil está proporcionando cada vez mais materiais que se encaixam em obras sustentáveis.

Uma dessas opções é o vergalhão de fibra de vidro. Como não sofre corrosão, ele durará anos a mais do que o tradicional, de aço. 

Maior durabilidade é um dos fatores essenciais para um material ser ecofriendly. Conheça mais sobre o Vega Fibra, da Composite Group Brazil e saiba mais vantagens!